Sem categoria

REMARKS CONCERNING THE SAVAGES OF NORTH-AMERICA / Observações a respeito dos selvagens da América do norte

 Savages we call them, because their manners differ from ours, which we think the perfection of civility; they think the same of theirs.
Perhaps, if we could examine the manners of different nations with impartiality, we should find no people so rude, as to be without any rules of politeness; nor any so polite, as not to have some remains of rudeness.
The Indian men, when young, are hunters and warriors; when old, counselors; for all their government is by counsel of the sages; there is no force, there are no prisons, no officers to compel obedience, or inflict punishment. Hence they generally study oratory, the best speaker having the most influence.
The Indian women till the ground, dress the food, nurse and bring up the children, and preserve and hand down to posterity the memory of public transactions. These employments of men and women are accounted natural and honorable. Having few artificial wants, they have abundance of leisure for improvement by conversation. Our laborious manner of life, compared with theirs, they esteem slavish and base; and the learning, on which we value ourselves, they regard as frivolous and useless. An instance of this occurred at the Treaty of Lancaster, in Pennsylvania, anno 1744, between the government of Virginia and the Six Nations.1 After the principal business was settled, the commissioners from Virginia acquainted the Indians by a speech, that there was at Williamsburg a college, with a fund for educating Indian youth; and that, if the Six Nations would send down half a dozen of their young lads to that college, the government would take care that they should be well provided for, and instructed in all the learning of the white people. It is one of the Indian rules of politeness not to answer a public proposition the same day that it is made; they think it would be treating it as a light matter, and that they show it respect by taking time to consider it, as of a matter important. They therefore deferred their answer till the day following; when their speaker began, by expressing their deep sense of the kindness of the Virginia government, in making them that offer; “for we know,” says he, “that you highly esteem the kind of learning taught in those Colleges, and that the maintenance of our young men, while with you, would be very expensive to you. We are convinced, therefore, that you mean to do us good by your proposal; and we thank you heartily. But you, who are wise, must know that different nations have differents conceptions of things; and you will therefore not take it amiss, if our ideas of this kind of education happen not to be the same with yours. We have had some experience of it; several of our young people were formerly brought up at the colleges of the northern provinces; they were instructed in all your sciences; but, when they came back to us, they were bad runners, ignorant of every means of living in the woods, unable to bear either cold or hunger, knew neither how to build a cabin, take a deer, or kill an enemy, spoke our language imperfectly, were therefore neither fit for hunters, warriors, nor counselors; they were totally good for nothing. We are however not the less obliged by your kind offer, though we decline accepting it; and, to show our grateful sense of it, if the gentlemen of Virginia will send us a dozen of their sons, we will take great care of their education, instruct them in all we know, and make men of them.”
Having frequent occasions to hold public councils, they have acquired great order and decency in conducting them. The old men sit in the foremost ranks, that warriors in the next, and the women and children in the hindmost. The business of the women is to take exact notice of what passes, imprint it in their memories (for they have no writing), and communicate it to their children. They are the records of the council, and they preserve traditions of the stipulations in treaties 100 years back; which, when we compare with our writings, we always find exact. He that would speak, rises. The rest observe a profound silence. When he has finished and sits down, they leave him 5 or 6 minutes to recollect, that, if he has omitted anything he intended to say, or has anything to add, he may rise again and deliver it.
To interrupt another, even in common conversation, is reckoned highly indecent. How different this from the conduct of a polite British House of Commons, where scarce a day passes without some confusion, that makes the speaker hoarse in calling to order; and how different from the mode of conversation in many polite companies of Europe, where, if you do not deliver your sentence with great rapidity, you are cut off in the middle of it by the impatient loquacity of those you converse with, and never suffered to finish it!
The politeness of these savages in conversation is indeed carried to excess, since it does not permit them to contradict or deny the truth of what is asserted in their presence. By this means they indeed avoid disputes; but then it becomes difficult to know their minds, or what impression you make upon them. The missionaries who have attempted to convert them to Christianity all complain of this as one of the great difficulties of their mission. The Indians hear with patience the truths of the Gospel explained to them, and give their usual tokens of assent and approbation; you would think they were convinced. No such matter. It is mere civility.
A Swedish minister, having assembled the chiefs of the Susquehanah Indians, made a sermon to them, acquainting them with the principal historical facts on which our religion is founded; such as the fall of our first parents by eating an apple, the coming of Christ to repair the mischief, His miracles and suffering, etc. When he had finished, an Indian orator stood up to thank him. “What you have told us,” he says, “is all very good. It is indeed bad to eat apples. It is better to make them all into cider. We are much obliged by your kindness in coming so far, to tell us these things which you have heard from your mothers. In return, I will tell you some of those we have heard from ours.
‘In the beginning, our fathers had only the flesh of animals to subsist on; and if their hunting was unsuccessful, they were starving. Two of our young hunters, having killed a deer, made a fire in the woods to broil some part of it. When they were about to satisfy their hunger, they beheld a beautiful young woman descend from the clouds, and seat herself on that hill, which you see yonder among the blue mountains. They said to each other, it is a spirit that has smelled our broiling venison and wishes to eat of it; let us offer some to her. They presented her with the tongue; she was pleased with the taste of it, and said ‘Your kindness shall be rewarded; come to this place after thirteen moons, and you shall find something that will be of great benefit in nourishing you and your children to the latest generations.’ They did so, and, to their surprise, found plants they had never seen before; but which, from that ancient time, have been constantly cultivated among us, to our great advantage. Where her right hand had touched the ground, they found maize; where her left hand had touched it, they found kidney- beans; and where her backside had sat on it, they found tobacco.” The good missionary, disgusted with this idle tale, said, “What I delivered to you were sacred truths; but what you tell me is mere fable, fiction, and falsehood.” The indian, offended, replied, “My brother, it seems your friends have not done you justice in your education; they have not well instructed you in the rules of common civility. You saw that we who understand and practice those rules, believed all your stories; you refuse to believe ours?”
When any of them come into our towns, our people are apt to crowd round them, gaze upon them, and incommode them, where they desire to be private; this they esteem great rudeness, and the effect of the want of instruction in the rules of civility and good manners. “We have,” say they, “as much curiosity as you, and when you come into our towns, we wish for opportunities of looking at you, but for this purpose we hide ourselves behind bushes, where you are to pass, and never intrude ourselves into your company.”
Their manner of entering one another’s village has likewise its rules. It is reckoned uncivil in traveling strangers to enter a village abruptly, without giving notice of their approach. Therefore, as soon as they arrive within hearing, they stop and halloo, remaining there till invited to enter. Two old men usually come out to them, and lead them in. There is in every village a vacant dwelling, called the stranger’s house. Here they are placed, while the old men go round from hut to hut, acquainting the inhabitants, that strangers are arrived, who are probably hungry and weary; and every one sends them what he can spare of victuals, and skins to repose on. When the strangers are refreshed, pipes and tobacco are brought; and then, but not before, conversation begins, with inquiries who they are, whither bound, what news, etc.; and it usually ends with offers of service, if the strangers have occasion of guides, or any necessaries for continuing their journey; and nothing is exacted for the entertainment.
The same hospitality, esteemed among them as a principal virtue, is practiced by private persons; of which Conrad Weiser, our interpreter, gave the following instances. He had been naturalized among the Six Nations, and spoke well the Mohawk language. In going through the Indian country, to carry a message from our Governor to the Council at Onondaga, he called at the habitation of Canassatego, an old acquaintance, who embraced him, spread furs for him to sit on, placed before him some boiled beans and venison, and mixed some rum and water for his drink. When he was well refreshed, and had lit his pipe, Canassatego began to converse with him; asked how he had fared the many years since they had seen each other; whence he then came; what occasioned the journey, etc. Conrad answered all his questions; and when the discourse began to flag, the Indian, to continue it, said, “Conrad, you have lived long among the white people, and know something of their customs; I have been sometimes at Albany, and have observed, that once in seven days they shut up their shops, and assemble all in the great house; tell me what it is for? What do they do there?” “They meet there,” says Conrad, “to hear and learn good things. “I do not doubt,” says the Indian, “that they tell you so; they have told me the same; but I doubt the truth of what they say, and I will tell you my reasons. I went lately to Albany to sell my skins and buy blankets, knives, powder, rum, etc. You know I used generally to deal with Hans Hanson; but I was a little inclined this time to try some other merchant. However, I called first upon Hans, and asked him what he would give for beaver. He said he could not give any more than four shillings a pound; ‘but,’ says he, ‘I cannot talk on business now; this is the day when we meet together to learn good things, and I am going to the meeting.’ So I thought to myself, ‘Since we cannot do any business today, I may as well go to the meeting too,’ and I went with him. There stood up a man in black, and began to talk to the people very angrily. I did not understand what he said; but, perceiving that he looked much at me and at Hanson, I imagined he was angry at seeing me there; so I went out, sat down near the house, struck fire, and lit my pipe, waiting till the meeting should break up. I thought too, that the man had mentioned something of beaver, and I suspected it might be the subject of their meeting. So, when they came out, I accosted my merchant. ‘Well, Hans,’ says I, ‘I hope you have agreed to give more than four shillings a pound.’ ‘No,’ says he, ‘I cannot give so much; I cannot give more than three shillings and sixpence.’ I then spoke to several other dealers, but they all sung the same song,—three and sixpence,— three and sixpence. This made it clear to me, that my suspicion was right; and, that whatever they pretended of meeting to learn good things, the real purpose was to consult how to cheat Indians in the price of beaver.
Consider but a little Conrad, and you must be of my opinion. If they met so often to learn good things, they would certainly have learned some before this time. But they are still ignorant. You know our practice. If a white man, in traveling through our country, enters one of our cabins, we all treat him as I treat you; we dry him if he is wet, we warm him if he is cold, we give him meat and drink, that he may allay his thirst and hunger; and we spread soft furs for him to rest and sleep on; we demand nothing in return. But, if I go into a white man’s house at Albany and ask for victuals and drink, they say, ‘Where is your money?’ and if I have none they say, ‘Get out, you Indian dog.’ You see they have not yet learned those little good things, that we need no meetings to be instructed in, because our mothers taught them to us when we were children; and therefore it is impossible their meetings should be, as they say, for any such purpose, or have any such effect; they are only to contrive the cheating of Indians in the price of beaver.”
Benjamin Franklin, 1784

OBSERVAÇÕES A RESPEITO DOS SELVAGENS DA AMÉRICA DO NORTE

Selvagens, assim os chamamos, porque seus costumes diferem dos nossos, os quais entendemos ser a perfeição de civilidade; e eles pensam o mesmo dos seus.Talvez se pudéssemos examinar os costumes de diferentes nações com imparcialidade, nós não encontraríamos nenhum povo tão rude que não tivesse regra de boa conduta; nem alguma tão educada que não tivesse alguma presença de rudeza.Os Índios, quando jovens, são caçadores e guerreiros; quando velhos, conselheiros; todo o seu governo é realizado pelo conselho e orientação dos sábios; não há coação, não há prisões, não há oficiais para compelir obediência ou infligir punições. Por isso eles geralmente estudam oratória: o melhor orador tem a maior influência.As Índias cultivam a terra, cuidam da comida, tratam e educam das crianças, e preservam e transmitem para a posteridade a memória dos assuntos públicos. Esses empregos destinados aos homens e mulheres são considerados naturais e honrosos. Tendo poucos desejos artificiais, eles têm abundância de lazer para melhorar sua habilidade de conversar. Nossa laboriosa maneira de viver, comparada com a deles, é estimada como servil e medíocre; e o aprendizado como nós nos valorizamos, eles consideram frívolos e inúteis. Um exemplo disso ocorreu no tratado de Lancaster, in Pennsylvania, em 1744, entre o governo de Virgínia e as Seis Nações. Após o principal assunto estar arranjado, os comissários de Virgínia realizaram um discurso colocando os Índios a par do fato de que havia em Williamsburg um colégio, com um fundo para a educação da juventude dos Índios; e se os chefes das Seis Nações encaminhassem meia-dúzia de seus filhos para esse colégio, o governo cuidaria que eles fossem bem providos e instruídos em todo o conhecimento dos homens brancos. É uma das regras de bons modos dos Índios não responder a uma proposta pública no mesmo dia em que esta é feita; eles pensam que isso poderia parecer estar a tratar isso como ma assunto banal, então assim eles mostram considerar o assunto importante à medida em que demoram um certo tempo para analisar. Eles, por conseguinte, adiam essa resposta até o dia seguinte: quando o orador deles começa, expressando sua profunda compreensão da bondade do governo de Virgínia em fazer tal oferta; “nós sabemos”, diz ele, “que vocês altamente estimam o tipo de ensinamentos ministrados nessas escolas, e que a manutenção de nossos jovens com vocês seria muito custosa para vocês. Nós estamos certos, portanto, que vocês estão buscando nos fazer o bem com essa proposta; e nós agradecemos a vocês do fundo de nossos corações. Mas vocês que são sábios, estão cientes, que diferentes nações possuem diferentes concepções das coisas: e vocês não irão consequentemente ter isso como um erro, se nossas ideias deste tipo de educação não sejam as mesmas das suas. Nós tivemos algumas experiências disto; alguns de nossos jovens foram enviados para colégios nas províncias do norte; eles foram instruídos em todas as suas ciências; mas quando eles retornaram para nós, eles eram maus corredores: ignorantes de todas as formas de se viver nas florestas; inábeis para lidar com o frio e a fome; nem sabiam como construir uma casa, caçar um cervo, ou matar um inimigo; falavam nossa linguagem de forma imperfeita; eram portanto incapazes para serem caçadores, guerreiros, ou conselheiros: eles eram totalmente bons para nada. Nós não nos sentimos, no entanto, tendentes a aceitar sua amável oferta, da qual declinamos; e para demonstrar nosso senso de gratidão, se os senhores de Virgínia enviarem para nós meia dúzia de seus filhos, nós teremos grande carinho em educá-los, e instruí-los em tudo o que sabemos, e faremos deles nossos homens”.
Tendo freqüentes ocasiões em que participam de conselhos públicos, eles adquiriram grande ordem e decência em conduzi-los. Os mais velhos sentam nos primeiros assentos, os guerreiros nos seguintes, e as mulheres e crianças atrás. Os negócios das mulheres consistem em obter exatamente o que acontece, guardar isso em sua memória, por que eles não escrevem, e comunicar isso às crianças. Elas são os registros do conselho, e elas preservam a tradição das decisões dessas assembleias há mais de cem anos; as quais, se comparadas com nossas escritas, nós sempre acreditamos exatas. Aquele que vai falar, levanta-se. O resto observa um profundo silêncio. Quando ele termina, ele se senta, e eles deixam ele cinco ou seis minutos para recordar se omitiu alguma coisa que pretendia dizer, ou se havia algo a acrescentar, caso em que se levantaria e diria isso.Interromper o outro, ainda em conversa informal, é tido por altamente indecente. Como isso difere da conduta da Casa dos Comuns do parlamento britânico, onde é raro o dia terminar sem alguma confusão, o que faz com que o orador fique rouco de gritar “pela ordem”; e como é diferente do modo de conversar, de muitos educados companheiros da Europa, nos quais, se você não entregar o raciocínio rapidamente você é cortado no meio pela impaciente loquacidade do interlocutor, e nunca consegue chegar ao fim!
A correção desses selvagens na arte da conversação é, realmente, levada ao excesso, à medida em que não permite a eles que seja contradita ou negada a verdade daquilo que está sendo asseverado em sua presença. Isso significa que eles, realmente, evitam disputas; mas assim se torna mais difícil entender o que pensam, ou qual impressão você deve ter deles. Os missionários, que buscaram convertê-los ao Cristianismo, todos reclamavam dessa ser uma das grandes dificuldades de sua missão. Os Índios ouviam com paciência as verdades cristãs que lhes eram explicadas, e davam os usuais sinais de aceitação e aprovação: você pensaria que estavam convencidos. Lêdo engano — era mera civilidade.Um ministro sueco tendo juntado os chefes dos Índios Susquehannah, fez um sermão a eles, ensinando-os os principais fatos históricos nos quais se fundamenta sua religião: tais como a queda de seus primeiros pais quando comeram a maçã; a vinda de Cristo para reparar nossos erros; seus milagres e sofrimentos, etc. — Quando terminou, um orador Índio levantou-se e o agradeceu. “O que nos contou”, disse, “foi tudo muito bom. E é realmente ruim comer maçãs. É melhor fazer com elas todas uma cidra. Nós estamos muito agradecidos por sua simpatia em vir de tão longe para nos contar o que escutaram de suas mães. Em retribuição, irei dizer-lhe um pouco daquilo que escutamos das nossas.‘No início, nossos pais apenas tinham a carne fresca dos animais para subsistirem; e se não obtivesse sucesso em sua caça, eles morriam de fome. Dois de nossos jovens caçadores tinham matado um cervo, feito fogo com madeiras para grelhar algumas de suas partes. Quando eles estavam à beira de satisfazer sua fome, eles avistaram uma bela jovem descendo das nuvens, e sentou-se naquela montanha que você vê além e entre as montanhas azuis. Eles disseram para si que deveria tratar-se de um espírito que sentiu o cheiro daquela carne de veado grelhada e que desejava comê-la, e por isso decidiram presenteá-la com a língua: ela gostou do sabor, e disse, “Sua gentileza será recompensada. Venha neste local após 30 luas, e você encontrará algo que lhe será de grande benefício para nutri-los a vocês e suas crianças para as futuras gerações.” Eles assim o fizeram, e para a sua surpresa, encontraram plantas que eles nunca haviam visto antes; as quais, desde os tempos antigos, vem sendo cultivadas entre nós, para nossa grande satisfação. Onde a mão direita da jovem e bela moça tocara o solo, nasceu milho; onde a sua mão esquerda tocara, nasceram feijões-roxos; e onde ela sentou-se, encontraram tabaco.’” O bom missionário, chateado com esse conto sem propósito, disse, “O que eu entreguei-lhe foram verdades sagradas; mas o que você me contou são meras fábulas, ficções e mentira.” O Índio, ofendido, retrucou, “Meu irmão, aparentemente seus amigos não fizeram justiça com sua educação; eles não instruíram bem você nas regras de comum civilidade. Você vê que nós, que entendemos e praticamos essas regras, acreditamos em todas as suas histórias, porque vocês se recusam a acreditar nas nossas?”Quando qualquer um deles vem para nossas cidades, nossas pessoas estão aptas a cercá-los, encará-los e incomodá-los quando eles desejam estar privadamente: isso eles estimam como algo grandemente rude, e um efeito da falta de instrução nas regras de civilidade e boas maneiras. “Nós temos”, diziam, “tanta curiosidade quanto vocês, e quando vocês vêm a nossas cidades, nós buscamos oportunidades de observá-los, mas para esse propósito nos escondemos em arbustos, por onde passarão, e nunca nos introduzimos em sua companhia.A maneira como entram em um vilarejo também segue essas regras. É reconhecidamente incivilizado para um viajante entrar abruptamente em uma vila, sem dar notícia de sua chegada. Destarte, assim que chegam, eles param e dão olá, ali permanecendo até serem convidados a entrar. Dois velhos usualmente entram primeiro e levam os demais para dentro. Há em todo vilarejo uma pensão, chamada casa dos estrangeiros. Assim que se alojam, os mais velhos passam de cabana em cabana informando os habitantes da chegadas da presença de estrangeiros, que estão famintos e cansados, e todos dão a eles aquilo que lhes sobra de víveres, e peles para repousarem. Quando os estrangeiros estão restaurados, cachimbos e tabaco são trazidos; e depois, e não antes, a conversação começa, e as perguntas sobre quem são, para onde vão, das novidades, etc, o que geralmente termina com ofertas de serviço; se os estrangeiros têm a necessidade de guias, ou quaisquer necessidades para continuar sua jornada; e nada é feito por entretenimento.A mesma hospitalidade, estimada entre eles como sua virtude principal, é praticada por pessoas privadamente; o que Conrad Werser, nosso intérprete, me forneceu o seguinte exemplo. Ele se naturalizou entre as Seis Nações, e fala bem a linguagem Mobuck. Indo através do país dos Índios, para trazer a mensagem de nosso governador ao conselho em Onandaga, ele parou na morada de Canassetego, um velho conselheiro, que o abraçou, espalhou peles para que sentasse, colocou diante de si alguns feijões cozidos e carne de veado, e misturou um pouco de rum e água para beber. Quando estava restaurado, e pitou seu cahimbo, Canassetego iniciou a conversar com ele; perguntou como tinha ido por tantos anos que não se viam, donde ele vinha, o que ocasionava a jornada, etc. Conrad respondeu a todas as questões; e quando a conversa começou a cair, o Índio, para continuar, disse, “Conrad, você viveu muito entre os homens brancos, e sabe alguma coisa dos seus costumes; eu estive algumas vezes em Albany, e estive observando, que uma vez a cada sete dias eles fecham as suas lojas e se juntam todos na casa grande; me diga para que isso? O que eles fazem lá?’ ‘Eles se encontram lá’, disse Conrad, ‘para ouvir e aprender boas coisas.’ ‘Eu não tenho dúvida’, disse o Índio, ‘que eles lhe dizem isso, eles me disseram o mesmo: mas eu duvido da verdade do que eles dizem, e irei lhe dizer minhas razões para isso. Eu tenho ido ultimamente para Albany, para vender minhas peles, e comprar cobertores, facas, pólvora, rum, etc. Você sabe que negocio geralmente com Hans Hanson; mas tenho estado um pouco inclinado dessa vez a tentar outros comerciantes. No entanto, procurei primeiro Hans, e perguntei a ele quanto daria por um castor. Ele disse que não poderia dar mais do que 4 shillings por pound; mas disse, não posso falar de negócios agora, hoje é o dia em que nos encontramos para aprender boas coisas, e estou indo para a reunião. Então, eu pensei comigo mesmo, já que não realizarei nenhum negócio neste dia, talvez fosse bom que fosse também a reunião, e fui com ele. Lá havia um homem vestido de preto, que começou a falar às pessoas muito nervoso. Eu não entendi o que ele dizia, mas percebia que ele olhava muito para mim,, e para Hanson, e imaginei que ele estava com raiva de me ver ali; então eu saí, e me sentei perto da casa, fiz fogo, e acendi meu cachimbo, esperando até a reunião terminar. Eu pensei também, que o homem havia mencionado algo relativo a castor; suspeitei disso pelo assunto da reunião. Então eles começaram a sair, e aproximei de meu mercador, “Bem, Hans”, disse, “Eu espero que você concorde em me dar mais de 4 shillings por pound.” “Não”, disse ele, “Não posso dar tanto; eu não posso dar mais do que três shillings e seis pence.” Eu depois falei com vários outros comerciantes, mas todos eles cantavam a mesma música, três e seis pence, três e seis pence. Isso me fez tão claro ver que minhas suspeitas estavam corretas; e que, embora fingissem ser a reunião para aprender boas coisas, a real finalidade era consultar como trapacear Índios no preço do castor.
Considere um pouco isso, Conrad, e você irá concordar com minha opinião. Se eles se encontraram tantas vezes para aprender boas coisas, eles certamente aprenderam alguma coisa antes dessa vez. Mas eles continuam ignorantes. Você conhece nossas práticas. Se um homem branco, viajando através de nosso país, entra em nossas casas, nós o tratamos assim como estamos tratando de você; nós o secamos se estiver molhado, nós o aquecemos se estiver com frio, e lhes damos carne e bebida, que lhe permitem afastar a fome e a sede; e nós espalhamos peles finas para que descanse e durma; nós não pedimos nada em troca.* Mas se eu vou a casa de um homem branco em Albany, e peço por víveres e bebida, eles me perguntarão, Cadê seu dinheiro? E se eu não o tiver, eles dizem, Saia, seu Índio cachorro. Você vê que eles não aprenderam aquelas pequenas boas coisas que nós não precisamos de nenhuma reunião para aprender, porque nossas mães nos ensinam quando somos crianças; e portanto é impossível que essas reuniões sejam, como eles dizem, para qualquer proposta, ou tenham outro fim, elas são apenas para planejar como trapacear os Índios no preço do castor.’”
Benjamin Franklin, 1784.

 
Download em PDF:
Remarks concerning the savages em dois idiomas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *